• Facebook
  • Facebook

Av. Indianópolis, 1960 | Planalto Paulista | São Paulo | SP

55 (11) 5581-2045 / 5072-4150 ferticlin@ferticlin.com.br

Diretor Clínico: Dr. Raul Eid Nakano - CRM 46.514

Resultados para: primeiro bebê de proveta

Ana Paula Caldeira - O primeiro bebê de proveta no Brasil

O Primeiro Bebê de Proveta no Brasil

Ana Paula Caldeira - O primeiro bebê de proveta no Brasil

Em 1984 foi a vez do ginecologista Dr. Milton Nakamura anunciar a chegada de Anna Paula Caldeira, o primeiro bebê de proveta no Brasil.

Após uma profusão de nascimentos e anúncios em diversos países, que sinalizavam para a comunidade científica o domínio da técnica, a Fertilização In Vitro tornou-se um procedimento médico comum.

Atualmente no Brasil, existem cerca de 150 clínicas de reprodução humana, onde são concebidos quase 4.000 bebês por ano. E esse número vem crescendo, graças à tecnologia que se desenvolve a cada dia.

Hoje, mulheres que não ovulam mais podem engravidar por meio de óvulos de doadoras. Homens que não produzem espermatozóides maduros podem recorrer a uma técnica que permite retirar as células pré-espermatozóides e amadurecê-las, para que posteriormente elas sejam utilizadas na fertilização in vitro.

 
Louise Brown a Primeira bebê de Proveta da Humanidade

A História do Primeiro Bebê de Proveta

Louise Brown a Primeira bebê de Proveta da Humanidade

Há 35 anos nascia, Louise Brown, o primeiro bebê de proveta da humanidade.

Seu nascimento, na madrugada de 25 de julho de 1978, causou muito alvoroço no Hospital Geral de Oldham, perto de Manchester, Inglaterra, e na comunidade científica. O que até então parecia impossível acabara de se tornar realidade.

Com um bloqueio nas trompas, sua mãe, Leslie Brown, só conseguiu engravidar quando encontrou o embriologista Robert Edwards e o ginecologista Patrick Steptoe. Foram necessárias pelo menos 50 tentativas até que vingasse o embrião que viria a ser Louise Brown.

Toda novidade é sempre vista com receio. Na ocasião, não foi diferente. A mídia e a comunidade científica viram com desconfiança o feito de Patrick Steptoe e Robert Edwards. Desde então, bebês de proveta, doação e recepção de material reprodutivo humano, congelamento e descarte de embriões, clonagem, medicina genética, Bioética, Biodireito, dentre outros temas, não deixaram mais de contar com ampla exploração midiática.

Em meio a uma enxurrada de críticos, observadores e casais esperançosos, as pesquisas continuaram avançando. Em 1981, o doutor Howard Jones anunciou o nascimento do primeiro bebê de proveta nos Estados Unidos: Elizabeth Jordan Carr.

 
Ferticlin Clínica de Reprodução Humana e Fertilidade em São Paulo

FERTICLIN: Referência em Reprodução Humana no Brasil

Ferticlin Clínica de Reprodução Humana e Fertilidade em São Paulo

Clínica completa 25 anos com milhares de casos de sucesso

Com o envelhecimento da população feminina brasileira, a tarefa de engravidar tende a ser cada dia mais difícil. Este processo está diretamente relacionado com a idade fértil da mulher, que vem adiando o sonho de ser mãe em detrimento de sua carreira profissional.

Neste cenário, a procura por clínicas e médicos especializados é uma tendência irreversível do mercado. A Ferticlin, localizada em São Paulo ,e fundada há 25 anos pelo médico Dr. Raul Nakano é uma das referências nesta área.

Após concluir Graduação e Residência Médica em Ginecologia na Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto – USP, o jovem médico Dr. Raul Nakano foi estudar no Japão, onde se especializou em Reprodução Humana em duas das mais conceituadas universidades do mundo, a Kanazawa University (Kanazawa-Japan ) e a Keio University, ( Tóquio).

Era apenas o início de uma brilhante carreira clínica que teve impulso em sua volta ao Brasil, onde foi Diretor Clínico do Centro de Planejamento Familiar São Paulo ( CPF SP), localizado na capital paulista e comandado pelo Dr. Milton Nakamura (in memorian), responsável pelo nascimento do primeiro bebê de proveta brasileiro, em 1984.

D. Raul Nanako

Atualmente Dr. Raul Nakano é Diretor Clínico da FertiClin, uma conceituada Clínica de Reprodução Humana, localizada em São Paulo, fundada pelo médico há mais de 25 anos. A FertiClin possui toda infra-estrutura necessária compatível com qualquer Centro Médico em Reprodução Humana da Europa, Japão e Estados Unidos.

No local, é possível realizar diversos procedimentos complexos já que possui o seu própio Laboratório de Reprodução Assistida , podendo realizar procedimentos como: Congelamento de Óvulos, Descongelamento de Óvulos, Fertilização in Vitro, Inseminação Artificial, Punção de Epidídimos, Fertilização por ICSI, Indução de Ovulação e Doação de Óvulos, Preservação de Óvulos, entre outros.

“Temos a preocupação em atender e levar todos os esclarecimentos dos nossos tratamentos, profissionais, estrutura e conceitos do nosso trabalho, mantendo a qualidade e excelência em todos os detalhes. Hoje somos reconhecidos e devidamente certificados pelos órgão competentes em reprodução humana”, revela Dr. Raul que anualmente participa dos principais Congressos de Fertilização Humana nacionais e internacionais.

 

Os 20 artigos que mudaram o mundo da reprodução assistida.

Não existe controvérsia sobre o primeiro bebê de proveta, nem do nascimento do primeiro bebê via inseminação artificial. Porém, muitas descobertas em reprodução assistida permanecem perdidos na literatura, o seu significado, por vezes, esquecidos. Por isso Hans Evers lançou um artigo sobre ‘100 artigos para ler antes de de morrer ‘.  causou tanto interesse que nós separamos os top 20 artigos  de Hans Evers.

1. No início
Bem. . . mais precisamente, por onde começar? A história da FIV humana certamente começou com Robert Edwards, que no verão de 1965 passou seis semanas com Howard e Georgeanna Jones, em Baltimore, onde, de acordo com Howard e apesar de um relatório “negativo” de Edwards ele  disse:  “parece pouco duvidoso que a fertilização humana foi realmente obtida no Hospital da Universidade Johns Hopkins por Bob e seus associados.

Hans Evers: Excelente monografia de Bob. Concepção no ser Humano Feminino mostrou-me o caminho para a medicina reprodutiva. Eu devorei o artigo muitas vezes. A primeira vez que Bob lembrou meu nome meu coração bateu mais rápido.

Edwards RG, Donahue RP, Baramki TA,
Jones HW. Preliminary attempts to fertilize
human oocytes matured in vitro. Am J
Obstet Gynecol 1966; 96: 192–200.

 

2. Indução da ovulação
A primeira gravidez após a indução da ovulação com hMG (Pergonal) foi em Israel em 1961. O grupo Carl Gemzell reportou a primeira gravidez de gonadotrofina no ano anterior.

Hans Evers: Não existia o PubMed(repositório de artigos médicos) na década de 1960, por isso não teve muito impacto. Foi publicado em revistas obscuras – razão pela qual levantou algumas dúvidas sobre o pioneirismo.

Lunenfeld B, Sulimovici S, Rabau E, Eshkol A. indução de L’
l’ovulação dans les amenorrhees hypophysaires. C Franco R Soc
Gynecol 1962; 32: 407-415.
Gemzell CA, Diczfalusy E, Tillinger G. folículo Humanos hipófise
estimulante (FSH). Ciba encontrados Colloq Endocrinol 1960;
13: 191.

 

3. A primeira gravidez FIV
O grupo Melbourne de Carl Wood em 1973 descreveu duas gravidez FIV, ambas perdidas em menos de uma semana. De acordo com Alan Trounson, que iria se juntar ao grupo em 1977, essas gestações “químicas”, apresentaram aumento dos níveis de hCG e mostrou que os embriões FIV poderia se desenvolver  in vivo e, provavelmente, dar início dar início a implantação. Também é provável que Edwards e Steptoe tinham começado a transferência de embriões, porém não reportaram nada na época e sem nenhum sinal de implantação, exceto por alguns abortos prematuros.

Hans Evers: As descobertas de Reprodução Assistida têm seguido o mesmo caminho; uma primeira gravidez bioquímica, então o aborto, próximo ectópico, e,  finalmente, alguém em um relatório pode gabar-se com o primeiro nascimento.

De Kretzer D, P Dennis, Hudson B, et al.
Transferência de um zigoto humano. Lancet 1973;
302: 728-729.

 

4. O primeiro nascimento
Louise Brown, nasceu pouco antes da meia-noite em Oldham, no Reino Unido. Pesando 2,61 kg. O bebê nasceu de cesariana. Desde então, as estimativas são de que mais de 4 milhões de bebês FIV tenham nascido em todo o mundo.

Hans Evers: Por que os suecos nunca foram corajosos o suficiente para dar a Edwards e Steptoe o Prêmio Nobel? FIV forneceu mais introspecção a própria vida e produziu mais Qualidade e Anos de Vida do que qualquer outro tratamento médico.

Steptoe PC, Edwards RG. Birth after the
reimplantation of a human embryo. Lancet
1978; 2: 366.

 

5. Gonadotrofinas em fertilização in vitro
Apesar de Louise Brown e do bebê da Austrália terem sidos os primeiros FIV a nasecerem seguindo a retirada de óvulos a seguir de um ciclo natural, o primeiro nascimento FIV dos EUA foi em um ciclo estimulados com hMG; Trounson em Melboure havia descrito os primeiros ciclos estimulados com citrato de clomifeno.

Lopata A, Brown J, Leeton J, et al. In vitro fertilization of
preovulatory oocytes and embryo transfer in infertile patients
treated with clomiphene and HCG. Fertil Steril 1978; 30: 27–35.

Trounson AO, Leeton JF, Wood C, et al. Pregnancies in humans
by fertilization in vitro and embryo transfer in the controlled
ovulatory cycle. Science 1981; 212:6 81–682.

Jones HW, Jones GS, Andrews MC, et al. The program for in
vitro fertilization at Norfolk. Fertil Steril 1982; 38: 14–21.

 

6. Aspirativa guiada por ultrassom
Recolha do oócito guiada por ultra-sonografia – e não a partir da punção por via laparoscópica – foi descrita pela primeira vez em 1981 por Suzan Lenz e colegas, em Copenhaga. Um ultra-som scanner com um transdutor de punção guiada uma agulha de aço através de uma bexiga cheia de punção folicular. Os autores mais tarde descreveu a técnica como “atraumática e barata e, portanto, valioso para colheita ovócitos para fertilização in vitro.

Hans Evers: O progresso real na FIV veio naturalmente a partir de acompanhamento ultra-som vaginal. E isso foi introduzido por Grupo Matts Wikland em Gotemburgo. De agora em diante, a FIV seria um menos invasiva procedimento.

Lenz S, Lauritsen JG, Kjellow M.
Collection of human oocytes for in vitro
fertilisation by ultrasonically guided
follicular

Gleicher N, Friberg J, Fullan N, et al.
Egg retrieval for in vitro fertilisation by
sonographically controlled vaginal
culdocentesis. Lancet 1983; 322: 508-509.

Wikland M, Nilsson L, Hamberger L.
The use of ultrasound in a human in vitro
fertilization program. Ultrasound Med Biol
1983; 2: 609-613.

 

7. Doação de ovócitos
O primeiro relatório de uma gravidez resultante a partir da transferência de um doadores de óvulos fertilizados veio da Monash Group em 1983, cujo relatório ao BMJ levantadas a questão do que fazer com o excesso de ovos e embriões gerados em uma fertilização in vitro estimulada ciclo: “Se mais oócitos são recuperados de são necessárias, elas podem ser deixadas não fertilizados, preservadas, ou doados a um casal receptor de quem ovócitos não podem ser obtidos.
Hans Evers: O útero não é um órgão exigente. Fornecê-lo com estrogênios e progesterona e vai deixar um implante de embriões jovens doadores, mesmo na idade de 65 anos. Trounson Alan é um ícone. De ovinos (em 1974) ele foi para as vacas(1976), cavalos (1976), coelhos (1977), ratos (1980) e humanos (1980). A partir de folículos ovos ao esperma de embriões para células-tronco. E finalmente, lei, ética, religião e clínicos tradução no século 21.
Trounson A, Leeton J, Besanko M, et al.
Pregnancy established in an infertile patient
after transfer of a donated embryo
fertilised in vitro. Br Med J 1983; 286:
835-838.

8. Criopreservação de embriões
Gerard Zeilmaker (1936 -2002), retratado com Robert Edwards, em 1986, registrou em seu laboratório livro em Rotterdam que um
embrião humano foi congelado em julho de 1979 e descongeladas em Outubro, um blastômero sobreviveram. De embriões congelados de três pacientes em fevereiro de 1983, uma transferência maio resultou no nascimento de gêmeos monozigóticos. Zeilmaker registrado que este seu nascimento, no Holanda, realizou-se consideravelmente antes que tal um bebê nasceu na Austrália.

Hans Evers: Congelamento de embriões de alta qualidade agora é um requisito fundamental para a aplicabilidade clínica da transferência de um único embrião (Eset), um técnica introduzida pela Fins que physiologised assistida reprodução. Através da ESET e criopreservação, FIV tornou-se finalmente uma maneira segura e eficaz de ajudar os casais inférteis.

Trounson A, Mohr L. Human pregnancy following
cryopreservation, thawing and transfer of an eight-cell embryo.
Nature 1983; 305: 707-709.

Zeilmaker GH, Alberda AT, van Gent I, et al. Two pregnancies
following transfer of intact frozen-thawed embryos. Fertil Steril
1984; 42: 293-296.

Vilska S, Tiitinen A, Hydén-Granskog C, Hovatta O. Elective
transfer of one embryo results in an acceptable pregnancy rate and
eliminates the risk of multiple birth. Hum Reprod 1999; 14: 2392-
2395.

 

9. Agonista de GnRH em ciclos de FIV
Após a administração pulsátil de GnRH foi criada como uma forma segura e eficaz para tratar hypogonadal hipogonadotrófico anovulação, relatos de sua utilização para o prevenção de um surto de LH durante prematura estimulação ovariana apareceu no início dos anos 80. Regulação pituitária resultou redução das taxas de cancelamento, a melhoria das FIV resultado e mais tempo conveniente
de captação. O uso de GnRH agonistas em combinação com gonadotrofinas em fertilização in vitro foi destacado por o grupo de Howard Jacobs, em Londres.

Hans Evers: Amostras de urina a cada quatro horas, detecção de LH-ondas em quatro horas, realizando laparoscopias nas primeiras horas de escuridão, sete dias por semana, com ovulações no Tudo mudou quando o agonista de GnRH; executar sem efeitos colaterais histaminérgicos tornou-se disponíveis. FIV tenho mais seguro e mais conveniente.

Fleming R, Adam AH, Barlow DH, et al.
A new systematic treatment for infertile
women with abnormal hormone profiles.
Br J Obstet Gynaecol 1982; 89: 80–83.

Porter RN, Smith W, Craft IL, et al.
Induction of ovulation for in vitro
fertilisation using buserelin and
gonadotropins. Lancet 1984; 324: 1284-
1285.

 

10. A vitrificação e a criopreservação de oócitos
A primeira tentativa bem sucedida em congelamento e descongelamento de um óvulo humano foi relatado por Christopher Chen de Adelaide em 1986. Um gêmeo gravidez foi conseguida após fertilização e transferência. Chen relataram que 80% dos 40 oócitos
congelada (a -196oC) apresentaram sobrevivência morfológicas após o descongelamento. Trinta foram inseminadas, 83%
mantiveram a sua capacidade de ser fertilizado, e 60% passou a clivagem divisão.

Chen C. Pregnancy after human oocyte cryopreservation.
Lancet 1986; 327: 884-886.

Experimentos com vitrificação de embriões em modelos animais (ratos, data de ovelhas) datam de meados da década de 1980. Em 1990 Gordts Stephan e colegas em Leuven, Bélgica, descreveu a “feezing ultrarapid ‘ e descongelamento de 237 ovócitos humanos fertilizados, dos quais 34 foram transferidos para 20 pacientes, dos quais quatro ficaram grávidas. A vitrificação primeiro nascimento a seguir de um óvulo humano foi relatado por Gianaroli e colegas de Bolonha trabalhar com Trounson em 1999.

Gordts S, Roziers P, Campo R, Noto V. Survival and pregnancy
outcome after ultrarapid freezing of human embryos. Fertil Steril
1990; 53: 469-472.

Kuleshova L, Gianaroli L, Magli C, et al. Birth following
vitrification of a small number of human oocytes: case report.
Hum Reprod 1999; 14: 3077-3079.

 

11. GIFT
A primeira gravidez após a transferência intrafalopiana de gametas (GIFT) foi notificada da Califórnia em 1984, com um nascimento vivo anunciado a partir do mesmo grupo no ano seguinte. Dois anos anterior Ian Craft em Londres relataram uma gravidez a partir da transferência de gametas para o útero.

Hans Evers: Deve ter sido a sigla sedutor que fez presente de modo bem sucedida em algumas partes do mundo (especialmente na Austrália). Como mais você poderia explicar o apelo de uma técnica que ainda necessários laparoscopia e anestesia geral?

Craft I, McLeod F, Green S, et al. Human pregnancy following
oocyte and sperm transfer to the uterus. Lancet 1982; 319: 1031-
1033.

Asch RH, Ellsworth LR, Balmaceda JP, Wong PC. Pregnancy
after translaparoscopic gamete intrafallopian transfer. Lancet
1984; 324: 1034-1035.

Asch RH, Ellsworth LR, Balmaceda JP, Wong PC. Birth
following gamete intrafallopian transfer. Lancet 1985; 326: 163.

 

12. ZIFT
Intrafallopian Zygote transferência, uma outra técnica de transferência tubária, foi pela primeira vez por Paul Devroey em Bruxelas 1986 e foi dito combinar as vantagens de fertilização in vitro (prova de adubação, a exclusão de embriões poliplóides) com as vantagens do presente (maiores taxas de gravidez).

Hans Evers: GIFT abriu caminho para todo tipo de combinações e permutações: ZIFT, PROST, TET, a transferência de gâmetas, zigotos ou embriões através da vagina, a bexiga, o tubo. Nem todos foram inequivocamente bem-sucedido, mas isso não deve desviar a atenção da contribuições fundamentais de Bruxelas equipe de André Van Steirteghem e Paulo Devroey para o desenvolvimento de nossa especialidade.

Devroey P, Braeckmans P, Smitz J, et al.
Pregnancy after translaparoscopic zygote
intra-Fallopian transfer in a patient with
sperm antibodies. Lancet 1986; 327: 1329

 

13. Microinjection e infertilidade masculina
O primeiro relatório de uma gravidez após a injeção de um único célula de esperma abaixo da zona pelúcida do oócito veio do Monash grupo em 1987, que diz: “a técnica tem profundas implicações para o tratamento possível de infertilidade masculina grave. O primeiro nascimento após a inseminação subzonal (SUZI) veio a partir de Singapura no ano seguinte. A infertilidade masculina na época era
definida como a maior causa de diagnóstico de infertilidade, sendo responsável por cerca de 30% dos casos (de acordo com Hull et al, 1986).

Laws-King A, Trounson A, Sathananthan H, Kola I.
Fertilization of human oocytes by microinjection of a single
spermatozoon under the zona pellucida. Fertil Steril 1987; 48:
637-642.

Ng SC, Bongso A, Ratnam SS, et al. Pregnancy after transfer of
sperm under zona. Lancet 1988; 332: 790.

 

14. Transferência de embriões guiado por ultra-som
O uso do ultra-som para guiar transferência de embriões foi descrito por Strickler et al em 1985. Transferência ultra-sonográfica foi encontrado para ser mais fácil e associados com menos de cateter distorção do que o ‘cego ‘ transferências que foram utilizados até então.

Hans Evers: Como no mundo deles foi guiada por US ET? Todo mundo fez isso, parecia funcionar, mas ela realmente oferecer algo extra? Não nas mãos de um operador experiente, aparentemente.

Strickler RC, Christianson C, Crane JP, et al. Ultrasound
guidance for human embryo transfer. Fertil Steril 1985; 43: 54–61

Kosmas IP, Janssens R, De Munch L, et al. Ulrasound-guided
embryo transfer does not offer any benefit in clinical outcome: a
randomized controlled trial. Hum Reprod 2008; 23: 457-458.

 

15. PZD e perfuração zona
A primeira descrição de dissecção zona parcial (PZD) do ser humano ovócitos para incentivar penetração do espermatozóide no FIV (especialmente no caso de sexo masculino infertil) foi pela primeira vez declarados a partir de Atlanta pelo grupo de Jacques Cohen, um relatório sobre a zona de perfuração seguido no mesmo ano. Com o tempo, como um Revisão da Cochrane iria mostrar, a ICSI foi encontrado para ser muito mais eficiente técnica em infertilidade masculina tha PZD, zona perfuração e Suzi.

Cohen J. Malter H. Fehilly C, et al.
Implantation of embryos after partial
opening of oocyte zona pellucida to
facilitate sperm penetration. Lancet 1988;
332: 162.

Gordon JW, Grunfeld J, Garrisi GJ, et
al. Fertilization of human oocytes by sperm
from infertile males after zona pellucida
drilling. Fertil Steril 1988; 50: 68-73.

 

16. ICSI
ICSI foi desenvolvidos um pouco acidentalmente – na o VUB em Bruxelas e rapidamente tomou mais de Suzi como a microinjeção técnica de escolha para a concepção do sexo masculino infertilidade. Em 2006, apenas 14 anos depois Bruxelas, relatou o primeiro nascimentos, cerca de dois terços de todas as fertilizações na ART A Europa estava com ICSI.

Hans Evers: Uma revolução! Como eles têm coragem fazê-lo? E sobre os cromossomos e os eixos? O que sabemos é que 1-2% de todas as crianças nascidas nos dias de hoje são o resultado de ICSI e eles parecem fazer bem. Será que ainda tem os bancos de esperma, se não para a ICSI?

Palermo G, Joris H, Devroey P, Van
Steirteghem AC. Pregnancies after
intracytoplasmic injection of single
spermatozoon into an oocyte. Lancet 1992;

 

17. PGD
A técnica de sexagem de embriões a partir do DNA de uma célula de biópsia pela amplificação de uma seqüência de repetição específica para o Y cromossomos foi relatada pela primeira vez por Alan Handyside e colegas em Londres, que descreveu a técnica como “pode ser valiosa para casais em risco de transmissão ligada ao cromossomo X a doença “. O mesmo grupo relataram a primeira gravidez utilizando a mesma técnica em casais em risco de transmitir doenças recessivas x-lig.

Hans Evers: PGD ​​foi um passo enorme à frente, tanto para a nossa compreensão da desenvolvimento embrionário precoce e de cuidados clínicos de infertilidade. Sua sobrinho comercializado, PGS, foi cortado pela raiz por vários robusta ensaios clínicos.

Handyside AH, Pattinson JK, Penketh RJ, et al. Biopsy of
human preimplantation embryos and sexing by DNA
amplification. Lancet 1988; 1: 347-349.

 

18. Maturação in vitro
Cha e colaboradores, em Seul foram os primeiros para descrever uma gravidez a partir de um ovócito maturados in vitro. O jornal informou que 270 oócitos imaturos foram incubadas com um fluido folicular maduros ou fetal soro de cordão, o primeiro apresentando uma maior taxa de maturação que o último. Cinco embriões transferidos para uma mulher com FOP resultou no nascimento de “saudável” meninas triplete.

Hans Evers: Logo após as primeiras publicações poucos IVM em (ovinos e bovinos), modelos animais, a primeira tentativa humana foi
anunciado. Várias outras se seguiram. A resultados obstétricos e perinatais foram bons,o peso médio foi normal, e os desenvolvimento infantil tem sido até agora imperceptível.

Cha KY, Koo JJ, Ko JJ, et al. Pregnancy
after in vitro fertilization of human
follicular oocytes collected from
nonstimulated cycles, their culture in vitro
and their transfer in a donor oocyte
program. Fertil Steril 1991; 55: 109-113.

 

19. Cirúrgica espermatozóides
O primeiro relato de biths vivem na sequência de um técnica de aspiração de espermatozóides veio o grupo de Irvine Ricardo Asch trabalho com Sherman Silber, em 1988. O mesmo grupo mais tarde confirmou a ligação genética entre CAVD e fibrose cística, enquanto Silber, trabalhando com o VUB em Bruxelas, relataram a primeira gravidez com espermatozóides obtidos a partir de biópsias testiculares em homens CAVD ou com azoospermia obstrutiva.

Hans Evers: Sem coragem, sem glória – ou favores a chance mente preparada? Espermatozóides imaturos em tratamentos de fertilidade humana. Cada nuvem tem um forro Silber.

Silber SJ, Van Steirteghem AC, Liu J, et
al. High fertilization and pregnancy rate
after intracytoplasmic sperm injection with
spermatozoa obtained from testicle biopsy.
Hum Reprod 1995; 10: 148-152.

Patrizio P, Silber S, Ord T, et al. Two
births after microsurgical sperm aspiration
in congenital absence of vas deferens.
Lancet 1988; 332: 1362.

 

20. Preservação da fertilidade
A restauração da fertilidade após a transplante de ovário congelado, descongelado tecido foi relatada pela primeira vez no ovinos, em 1994, mas não até 2000, foi autotransplante ovariano (ortotópico e heterotópico), descrito em um título experimental em humanos. De acordo com relatórios recentes, tem assim até agora, nove partos de gestações derivados de congelados e descongelados tecido ovariano.

Hans Evers: Preservação da fertilidade pelo congelamento de ovários ou ovos é a resposta da ART para cada vez mais sucesso tratamentos contra o cancro. Seu “social” aplicação – em mulheres mais velhas que não têm ainda não encontraram seu Sr. Direito – ainda é indescritível. A 1-5% de chance de um óvulo retirado tornar-se um gravidez exigiria entre cinco e 25 pick-up procedimentos em um ano de idade 35-40 para cuidar dela “seguro da fertilidade”.

Oktay K, Karlikaya G. Ovarian
function after transplantation of frozen,
banked autologous ovarian tissue. N Engl J
Med 2000; 342: 1919.

Adaptado por: Fertlclin – Centro de Fertilidade Assistida.